Rivalidade à flor da pele. De um lado o CSA busca o título número 39. Do outro o CRB quer o 31º caneco. O Campeonato Alagoano chega em sua partida final com os dois clubes de maior tradição no futebol do Estado. A partida começa às 16h neste domingo, no estádio Rei Pelé, e tem como característica a vantagem azulina de 1×0 do primeiro jogo. Por isso o time do Mutange joga pelo empate. Se o Galo vence pela diferença de um gol (qualquer placar) a disputa do troféu vai para os tiros livres da marca penal, os populares pênaltis. Em caso de vitória por diferença de dois ou mais gols, o Regatas é campeão.

Será um jogo muito equilibrado, pelo que mostrou CRB e CSA durante a competição. O efetivo empregado será de 469 policiais militares – três a mais que no primeiro jogo. Os portões do Trapichão serão abertos às 14h.

A torcida do time que conquistar o título deixará o estádio por último. O tempo estimado é de 30 a 40 minutos após o encerramento da partida. Mandante da partida, o CRB terá 12.200 ingressos para seus torcedores. O CSA fica com 2.800.

Os torcedores não podem entrar no estádio portando capacete, garrafa plástica, guarda-chuva, bastão de selfie, sinalizadores com acionamento incendiário, papel picado, apontador laser, bandeira com mastro, rolo de papel higiênico ou máquina de registro, isqueiro e animal.

INGRESSOS

Os ingressos para a decisão do Alagoano estão sendo vendidos por R$ 15,00 (arquibancadas baixas), R$ 20,00 (arquibancadas altas) e R$ 50,00 (cadeiras). Pontos de venda do CRB: Poly Sport (Centro e Maceió Shopping), Loja Regatas – Oficial do CRB (Avenida Dr. Antônio Gomes de Barros, na Jatiúca), Kiosk Sports (Shopping Pátio), Via Esportiva (Galeria San Nicholas, na Serraria), Estande do Galo (Shopping Maceió) e Bar do Carlão (no Trapiche). Pontos de venda do CSA: Loja do CSA, Poly Sport (Centro e Maceió Shoping), Kiosk (Shopping Pátio) e Via esportiva.

ARBITRAGEM

O árbitro carioca Wagner do Nascimento Magalhães (Fifa) apita o clássico, tendo como assistentes Guilherme Dias Camilo (Fifa/MG) e Neuza Back (Fifa/SC).

Galo pode mudar titulares; Azulão vai manter a base

No duelo de Marcelos quem levará a melhor? O Cabo ou Chamusca? São dois treinadores da nova geração que possuem um currículo vencedor. Exatamente pode isso os discursos não poderiam ser diferentes. Respeito. Tando o técnico azulino, como o regatiano, sabem que o clássico final vai ser decidido no detalhe. Quem errar menos vence. E a vantagem de 1×0 construída no primeiro jogo não é motivo para que o CSA venha mais relaxado. Pelo contrário. Cabo quer atenção redobrada pois sabe que o CRB virá com muita sede.

“Por ter vencido, a gente consegue trabalhar com um pouco mais de tranquilidade. Mas o fato de ter aberto 1×0 não quer dizer nada porque se trata de uma final. A gente precisa ter seriedade, continuar com o trabalho bem forte para chegar na final e fazer valer essa vantagem nos 90 minutos que faltam”, destacou o atacante Patrick Fabiano, que busca a artilharia do campeonato. Ele possui 5 gols e está atrás de Willian Barbio do CRB com 6 e de Alexandre do Jaciobá que tem 8.

O zagueiro regatiano Edson Henrique quer concentração. “Temos que estar concentrados durante os 90 minutos da partida para poder buscar o gol. Acho que, concentrado, você consegue fazer um bom jogo, com a equipe toda compacta, para o adversário não ter espaços. Temos que olhar para frente. No jogo do próximo domingo, temos a oportunidade de fazer um jogo melhor e marcar gols, que é o mais importante. Perdemos o primeiro jogo por 1 a 0, mas temos totais condições de buscar o resultado que nos interessa e, claro, o título”.

O volante azulino Mauro Silva foi cauteloso quando o assunto foi a vantagem do CSA para o segundo jogo da decisão. “Pequena ou não é uma vantagem, mas não podemos entrar com ela debaixo do braço. Dentro de campo essa vantagem não existe muito. Temos que entrar em busca da vitória. Com certeza vai ser um jogo muito mais difícil do que o primeiro. Sabemos que podemos empatar o jogo, mas entrar para empatar não é bom. Temo que jogar para ganhar”, disse.

O lateral Igor espera grande público. “A presença do torcedor é importante demais. A gente conta muito com eles. Eu espero que eles possam ir ai estádio e que nos apoiem muito no domingo”, completou.

Ano passado João Carlos estava no CRB. Hoje quer ser campeão pelo CSA. “Sei da força do outro lado. Temos que jogar com inteligência”, disse. Marddem era reserva de João, e hoje pode levantar o caneco. “O mais importante em uma decisão como essa é ter intensidade e não falhar em momento algum. Se sofrermos um gol fica tudo mais difícil. Temos que ter o máximo de atenção lá atrás e eficiência ofensiva. Estamos cientes das dificuldades que enfrentaremos, mas preparados para a batalha. Só depende de nós”.

OPINIÃO

Segundo o comentarista Marlon Araújo o time que conseguir colocar em prática as ordens dos treinadores sairá campeão.

“Com tudo que cerca uma decisão, o time para ser campeão precisará mostrar eficiência na execução do seu plano de jogo e na inspiração de um jogador que possa desequilibrar. No time do CRB, Ferrugem, Barbio, Zé Carlos  e Menezes são esperanças de desequilíbrio no jogo. No CSA, Didira, Robinho , Mateus Sávio e Patrick Fabiano geram as principais expectativas”, disse ele em seu blog.

Fonte: Tribuna Independente / Editoria de Esporte

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here