Alagoas foi o único estado do País que recusou recursos federais para a realização de ações de promoção de destinos turísticos. De acordo com o Ministério do Turismo (MTur), para receber os recursos, as secretarias estaduais de Turismo precisaram cadastrar propostas de promoção dos seus destinos internos até outubro do ano passado. “Alagoas manifestou não ter interesse naquele momento”, disse o MTur.

A verba era para apoiar as secretarias estaduais de Turismo na construção de campanhas promocionais tanto de rotas turísticas quanto de produtos regionais, com foco no turismo interno e de proximidade (curta distância) que, seguindo tendências mundiais, será um dos principais impulsionadores da retomada do turismo. Ao todo, 16 estados e o Distrito Federal firmaram convênio com o governo federal e, juntos, totalizaram um investimento de R$ 8,3 milhões.

A maioria recebeu R$ 500 mil, o que ficou com o menor valor foi o Distrito Federal, com R$ 431,3 mil. Sobre a recusa, o secretário de Estado do Desenvolvimento Econômico e Turismo, Rafael Brito, disse que o Estado resolveu aguardar uma nova chamada, “com convênios que contemplem Alagoas de maneira mais representativa”. Ao justificar a negativa dos valores, Brito disse que o governo fez investimentos com recursos próprios para promover o destino Alagoas. “O Governo de Alagoas trabalhou em diversas frentes para preparar o estado para a retomada da atividade turística, com um investimento de aproximadamente R$ 9 milhões em campanhas junto aos principais players do setor”, detalhou.

“Dessa forma, tendo em vista os investimentos já executados oriundos de recursos próprios do Governo do Estado, resolvemos aguardar uma nova chamada, com convênios que contemplem Alagoas de maneira mais representativa e com repasses que garantam a continuidade do trabalho de promoção do destino que já vem sendo executado”, completou. O ministro do Turismo, Gilson Machado Neto, destacou que a ação federal visa reparar perdas e impulsionar o ramo. “Queremos que o setor de turismo, tão impactado pela pandemia, possa se recuperar e promover o seu turismo interno, seguindo todas as regras de biossegurança que garantam a proteção de turistas e trabalhadores do setor”, explicou.

O secretário nacional de Desenvolvimento e Competitividade do Turismo, William França, afirma que a intenção foi democratizar o acesso aos recursos para todos os estados. Por isso, cada estado pode pleitear um apoio de até R$ 500 mil. “Realizamos em 2020 uma videoconferência com todos os secretários estaduais de turismo, através do Fórum Nacional dos Secretários e Dirigentes Estaduais de Turismo (Fornatur), quando explicamos como os gestores estaduais poderiam apresentar propostas e se candidatarem a receberem os recursos e, desta forma, a iniciativa pudesse alcançar a todos”.

Por Hebert Borges | Portal Gazetaweb.com

FOTO: Kaio Fragoso/Sedetur

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here