Imagens de escorpião circulando pelo local e mulheres dormindo em macas, recebendo atendimento em cadeiras e até recolhidas no chão, revelam as condições em que se encontra a Maternidade Santa Mônica, em Maceió.  Vídeos com os problemas foram divulgados nessa terça-feira (22) por funcionários da unidade hospitalar.

A maternidade é administrada pela Universidade de Ciências da Saúde de Alagoas (Uncisal), ligada ao governo do Estado, e é referência para atendimento de média e alta complexidade.

Em relatos, funcionários afirmam que a situação, que envolve superlotação, acontece há mais de um mês e já teria sido informado à direção do local. Denunciam ainda condições insalubres de trabalho.

Nas imagens, também é possível ver escorpião circulando pela maternidade, que atende pacientes da capital e de diversas cidades do interior. Em nota, a maternidade reconhece e justifica a situação de superlotação e assegura que tem atuado para manter as condições devidas para atendimento.

Leia a nota na íntegra:

Em relação às denúncias feitas à imprensa, a Maternidade Escola Santa Mônica esclarece:

Desde o dia 13 de maio a unidade vem enfrentando o cenário de superlotação e, em virtude do perfil de alto risco das pacientes, não conseguiu transferência para outras unidades maternais através do Complexo Regulador Assistencial (CORA) do município.

Assim, as pacientes foram atendidas e receberam a assistência necessária ao quadro de saúde que apresentaram, porém, algumas só tiveram leitos disponibilizados à medida que outras pacientes receberam alta.

A direção reforça ainda que a superlotação prejudica também o abastecimento da maternidade, já que este é feito com base no número real de leitos e com o aumento da demanda a tendência é que ocorra falta de insumos.

Para solucionar esse problema, a Universidade Estadual de Ciências da Saúde de Alagoas (Uncisal), responsável pelo abastecimento da maternidade, foi acionada e vem atuando diuturnamente com o propósito de reabastecer a unidade e garantir os serviços.

Sobre o surgimento de escorpiões, a Maternidade destaca que realiza as dedetizações periódicas, conforme preconiza a Vigilância Sanitária. No entanto, devido o entorno ao qual está inserida ocorre a migração desses animais de outros imóveis.

GAZETAWEB.COM

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here