Uma relação precisa de mais compromisso e menos sacrifícios. No entanto, são muitos os que acreditam que o amor verdadeiro exige sacrifícios e concessões constantes, e que quanto maiores forem, mais autêntico será o vínculo.

Assumir esta premissa pode nos levar a construir relações de poder unilateral com licença para extorsões emocionais e a perda da própria identidade.

Nem tudo vale no amor. Graham Greene dizia que todos viemos a este mundo com uma noção autêntica e nobre do amor, mas em algum ponto do caminho, acabamos nos desviando da mesma.

Talvez tudo se deva ao clássico modelo do romantismo no qual fomos educados, que nos fez acreditar durante muito tempo que amor e sofrimento andam juntos.

Entrelaçamos tanto o afeto com a ideia do sacrifício que chegamos a avaliar o amor verdadeiro tomando por base estes dois ingredientes.

Vê-lo através deste prisma nos leva a entender este sentimento quase como uma espécie de deus que exige grandes concessões e oferendas dolorosas para que possamos ser verdadeiramente dignos do mesmo.

Evitemos, portanto, chegar a estes extremos. Entendamos que embora as relações exijam, em algumas ocasiões, sacrifícios pontuais, esta prática não pode se transformar na norma.

O amor verdadeiro precisa, acima de tudo, de compromisso. Deve ser uma fonte de realização cotidiana, e nunca uma pira de sofrimentos na qual lançamos nossos sonhos, identidades e valores.

“Demos formas reais a um fantasma, da mente ridícula invenção, e feito o ídolo, sacrificamos em seu altar o nosso amor”.
-Gustavo Adolfo Bécquer-

Uma relação precisa de equilíbrio

Às vezes, os sacrifícios são necessários. Em algumas ocasiões, esperamos que o parceiro dê aquele passo tão importante: deixar sua cidade ou país de origem para começar uma vida conosco, abandonar um emprego, adiar um projeto, etc.

Há momento em que, efetivamente, é preciso percorrer quilômetros, arrancar raízes, mobilizar lares, reformular futuros, traçar novos mapas de vida…

No entanto, estes atos sempre devem ser realizados por vontade própria. Mais do que isso, a pessoa deve interpretá-los como um benefício, nunca como um dano. A percepção de ganho deve superar a sensação de perda. Deve existir, portanto, um equilíbrio claro.

A mudança deve ser interpretada como um ato útil para reforçar o vínculo, uma decisão corajosa que sirva para fortalecer ainda mais o compromisso.

O sacrifício, por outro lado, nem sempre alimenta o próprio compromisso, porque o que traz, com frequência, é sofrimento. Há uma sensação de perda e a experiência tem um custo.

Um estudo realizado nas Universidades de Toronto e Berkeley mostrou algo importante que merece uma reflexão:

Muitas vezes menosprezamos o grande impacto que estas dinâmicas podem chegar a ter. As concessões contínuas e as renúncias erodem completamente nosso tecido emocional e a nossa identidade.

R7.COM

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here